13/07/2016

Rule Of Rose

Yo, my winter flowers!

Finalmente consegui uma oportunidade para falar novamente de games aqui! Eu vou começar a abordar mais estilos de game aqui, porque acho uma temática interessante para ser incluída ao blog, principalmente esses games menos conhecidos. Creio eu que, se eu não empacar em nenhuma parte do game, o próximo jogo a aparecer aqui no blog é The Cat Lady, que está me empolgando bastante com sua proposta de enredo.

Lembram que na semana passada eu havia comentado algumas coisas sobre estar gostando de BTS depois de anos sem K-Pop me entrar na cabeça e, algumas semanas bem antes diss, sobre estar projetando uma fic nova? Então, digamos que estou a escrever uma nova fic, no formato de Imagine do BTS. É o primeiro drama que eu escrevo nesse formato, e admito que estou gostando muito do resultado; Dessa vez, eu farei diferente: terminarei de escrever a fic para depois postar em qualquer outro lugar terminei por ver que isso é o correto, mas acho que pelo menos o elemento drama eu consegui alcançar nesse imagine :3

Hoje, depois de um ano e meio querendo fazer um post sobre esse game, porém me contendo porque achava ele um pouco pesado demais pra exibir aqui no blog quebremos logo esses tabus, mas sem frescuras, vamos falar aqui de Rule of Rose; Esse game danadinho de polêmico, pouco conhecido devido ás polêmicas também, que chegou a ser expulso de alguns países. O que ele aborda? Coisas como homossexualidade na infância, violência desse mesmo grupo e pedofilia. De primeiro momento, o game pode até parecer uma aberração, mas calma que tudo tem sua explicação. Eu vou falar algumas coisinhas sobre o enredo que deem algumas dicas das revelações para quem jogou e quem não jogou, porque mesmo aqueles que jogaram esse game ainda permanecem com dúvidas sobre o mesmo, pois RoR não é dos games mais fáceis de se entender não hein?

Lerigou!

Rule of Rose e as kreanssas do capeta

Ficha Técnica: Rule of Rose ("Rule Of Rose"-----"A Regra da Rosa") é um game +18 de terror psicológico e Survivor Horror desenvolvido pela Punchline e foi distribuído pela Sony (No Japão) e pela Atlus (Na América do Norte) em 2006, sendo esse game exclusivo de PS2 bons tempos. Uma boa curiosidade a se ressaltar aqui é que Rule of Rose chegou a ser um game banido em alguns países do mundo por aí, sendo que esses alegaram que o apelo para violência e sexualidade envolvendo figuras menores de idade era algo inconcebível, e assim, esse se tornou um dos games mais polêmicos da história do PS2, se tornando não muito famoso também devido a isso. Outro fator que vale lembrar sobre RoR é a sua jogabilidade, que é extremamente chatinha de se mexer, e eu acho que isso é proposital, afinal, vários jogos de terror tem essa jogabilidade mais difícil de lidar (Por conta de bugs ou travadas mesmo).
Resumão {Área Livre de Spoilers}

Tudo começa com nossa protagonista, Jennifer, dormindo dentro de um ônibus em movimento. Em um momento ela acorda, e assim que desperta, Jennifer encontra com um menino que supostamente se chama Joshua, e esse menino pede que ela leia um livro que se chama "A Pequena Princesa", mas assim que Jennifer abre o livro, constata que o mesmo está em branco. Nesse momento, o ônibus para, e o menino foge; Jennifer segue o menino até um orfanato, onde ela presencia uma cena no mínimo bizarra: duas crianças com sacos na cabeça espancando algo dentro de outro saco, e este saco não só contém algo vivo como também algo que está sangrando. Jennifer consegue entrar dentro do orfanato, e neste exato momento, as portas se trancam, indicando claramente que ela não tem como sair.

De início, iremos nos deparar com crianças aparentemente inocentes em meio a uma brincadeira só um pouco anormal eu quando tinha a idade dessas criaturas brincava de responder as perguntas da Dora Aventureira, que consiste em uma aristocracia, onde os cargos mais altos são ocupados por meninas, e cada um na brincadeira tem sua denominação também que não conta como posição, pra quem vive se confundindo com isso. Jennifer acaba entrando obrigatoriamente no jogo, e agora, cada mês ela será obrigada a dar um presente á Princesa da Rosa, que é aquela que ocupa o lugar mais alto de todos, e caso ela não dê...bem...pagará bem caro por isso. A questão inicial é que: As memórias de Jennifer estão bagunçadas dentro de sua cabeça, e ela tem muito mais relação ao orfanato Rose Garden nome desse orfanato lindo, maravilhoso e perolado do que ela consegue se lembrar. Outra questão também é que criaturas sobrenaturais, vindas de lendas que as próprias crianças contam, surgem no orfanato, atacando apenas Jennifer. Porque isso acontece e o que Jennifer tem com isso só saberemos ao longo do game, juntamente com o cachorro mais fofo dos games de terror por aí, Brown CARA....EU TENHO SAUDADES DE TI! ONDE ESTAIS? EU QUERO UM DÓGUI QUE NEM VOCÊ!
A Aristocracia do Tio Lucy {Aqui terão alguns spoilers leves}

Como eu havia dito, as crianças de Rule of Rose possuem uma aristocracia, chamada de Aristocracia do Giz de Cera Vermelho e é em torno desta que encontraremos nossos personagens. Cada uma das crianças, incluindo os meninos que são a minoria, possuem um título como príncipes de alguma coisa. 

Jennifer possui 19 anos, é considerada como "A Pobre Garota Sem Sorte" na questão dos títulos, e é considerada como Indigente nas classes da aristocracia. Falando sobre sua personalidade, ela se trata de uma mulher de mente muito frágil, facilmente pisada e humilhada pelas crianças da aristocracia, e não só por elas, mas pelos próprios adultos do orfanato também. Das meninas do orfanato as quais somos apresentadas, a única que não a trata mal é Wendy, e tem uma razão muito forte para que isso aconteça. O único verdadeiro amigo que Jennifer tem entre todos desse game é Brown, um Labrador Retriever muito do fofão, que possui uma história muito triste, que quando eu descobri, eu literalmente chorei de raiva dessas vadianes desse jogo, e eu não estou exagerando... A história de Jennifer, creiam vocês ou não, apenas é revelada em sua plenitude quando você alcança o final bom, que é esclarecedor para muitas coisas, apesar de não esclarecer tudo; Valendo lembrar que as memórias de Jennifer estão completamente embaralhadas e confusas, causando um nível de perturbação nessa menina, além de nos fazer tentar entender o que raios aconteceu para que Jen mudasse de uma criança alegre e participativa para uma mulher completamente amedrontada e acovardada, que se deixa humilhar por meninas muito mais novas que ela.

Diana é uma das meninas da aristocracia, que se alto-proclama como a líder desta, sendo considerada como "A Princesa Persistente" por título e Duquesa por classe na aristocracia. Diana é, de longe, uma das personagens mais polêmicas desse game, pelo seguinte motivo: Diana é do tipo de menina manipuladora, que recorre até o último artifício para que os outros façam o que ela quer, chegando até a seduzir os garotos e persuadir ao estilo psicopata mesmo as meninas, abaixando a moral delas. Existem muitas suspeitas sobre a Diana, e a suspeita mais forte de todas é que ela, assim como Clara outra menina que eu apresento mais adiante foi violentada pelo diretor do orfanato, Mr. Hoffman; Não é de plena garantia que isso tenha acontecido, mas várias cenas do game deixam essa suspeita, fora os áudios suuper sugestivos que o Hoffman gravou. Diana é uma menina muito sugestiva (tirem pelas roupas dela e a reverência dela), e o principal "brinquedinho" dela é a Margaret, uma das próximas meninas a serem apresentadas.

Eleanor é a segunda mais baixa da aristocracia, sendo intitulada como "A Princesa Fria" e classificada como Condessa. A história dela é a mais fácil de se entender, mesmo porque, não temos muitas informações sobre ela. Eleanor é uma menina altamente distante das demais, que vivia levando uma gaiola com um pequeno passarinho vermelho dentro dela, que sumiu depois de um tempo. De acordo com o que eu sei, a Diana o matou para que, supostamente, a Eleanor entrasse na aristocracia; Pela lógica, se a Eleanor não entrasse, a Amanda iria ficar como a quarta mais alta da aristocracia, e como Diana não queria isso, manipulou toda uma situação pra afastar a bobona da Amanda dos postos altos. E isso nos leva a mais uma curiosidade: Diana GOSTA de maltratar animais, entre gatos, cachorros, passarinhos, o que seja.


Margaret, ou simplesmente Meg, é a quarta mais alta da aristocracia, sendo intitulada como "A Princesa de Aparência Sábia" e classificada como Baronesa. Ela é a mais inteligente das meninas, e é responsável por fabricar as torturas do game, -que são utilizadas com aqueles que não mandam os presentes do mês para a aristocracia- e também por espalhar as lendas urbanas do orfanato, tais como a Lenda do Cão Desgarrado, que era uma música baseada em um sequestrador vivo, que morava perto do Rose Garden inclusive. Margaret, apesar de muito inteligente, tem uma admiração meio chegada pra invejinha branca muito grande pela Diana, chegando em alguns momentos a parecer outra coisa; Sim, é isso mesmo: Meg aparentemente é lésbica, e o pior é a Diana ter coragem de usar isso ao favor dela, fazendo de Meg uma simples Marionete.

Amanda é uma das mais baixas na aristocracia, sendo chamada de "Princesa de Coração Pequeno" e sendo classificada como "Pobre/Miserável" na aristocracia. Essa menina é, de longe, uma das que a maior mentalidade fraca nesse jogo. Ela simplesmente é abusada verbalmente pela Diana e desconta a raiva dela na Jennifer. Simples assim. E olha que, quando a Jennifer chegou no orfanato, ela foi a primeira a dar algum tipo de ajuda para Amanda, mas mesmo assim, essa guria descontou toda a raiva na Jennifer.

Clara é uma das meninas mais velhas do orfanato, que não faz parte diretamente da aristocracia, mas mesmo assim é intitulada como "A Princesa Assustada". Ela é, provavelmente, vítima de abuso por parte do diretor Hoffman, que a abusava com frequência, fazendo-a se tornar uma figura que lamenta sua própria existência, além de achar muito melhor estar morta. Existem inúmeras teorias ao redor de Clara, e duas que eu concordo são:

  • 1) Clara sofreu aborto: Isso eu mesma confirmo por conta do chefe The Princess Mermaid, inspirado na personagem, que passa toda uma interpretação sobre uma vitima de aborto (mesmo porque, eu tenho pra mim que o significado da sereia ser presa ao teto por cordas que envolvem suas pernas representam essa coisa da infertilidade). E, em uma das cenas, Clara está limpando uma cama da enfermaria que está com sangue, e logo depois o Hoffman chama ela para conversar em um outro quarto, aí eu liguei uma coisa a outra.
  • 2) Clara se suicidou: Não revela no game onde foi parar Clara depois do final, mas devido a esses abusos que ela sofreu, eu tenho pra mim que ela tenha se suicidado. Muitos defendem a idéia que ela assassinou o Hoffman juntamente com a Diana, mas isso não pode ter acontecido. O porquê se deve ao final do game, que é spoiler, então não posso falar.

Em todo caso, o jogo não esclarece bem qual fim levou Clara, uma vez que chega até nós a informação que o diretor do orfanato fugiu de seus deveres no dia de um acontecimento deveras importante aqui, que deu início a todo esse pesadelo que presenciamos no game.

E por último, ela...A falsiane das falsianes! A rainha das FDP's! A piranha assassina amante de torturar os mais fracos! A duas caras! A personagem de games que eu mais odeio de todos os tempos: Wendy. Ela é intitulada como "A Princesa Solitária", e sua posição na aristocracia é, na realidade, um spoiler do enredo, portanto não posso revelar aqui senão perderia a graça, heheheh. Uma coisa curiosa em relação a essa personagem é que, enquanto todas as outras crianças do orfanato humilham e maltratam Jennifer, ela se torna a única a ser boa com Jen, o que pode levantar inúmeras suspeitas no início. O que eu posso adiantar aqui para vocês, sem acabar soltando um spoiler muito violento, é que essa guria não é NEM METADE do que ela aparenta; Durante o jogo, ela cometeu um ato de frieza e maldade tão grande que me fez pegar um simples ódio com nojo dessa personagem. 
Como o Game funciona

O Game possui onze capítulos, onde cada capítulo representa um mês (possuindo inimigos e chefes no decorrer deste) e um nome de alguma historinha infantil do orfanato, começando em Março de 1930 e terminando em Janeiro . Os capítulos seguem a ordem normal dos meses até Janeiro, onde cada mês possui uma "historinha" diferente. Exemplificando, eu traduzi a primeira "historinha" que aparece no jogo, chamada "A Pequena Princesa", proveniente do capítulo de mesmo nome:
A Pequena Princesa {Março de 1930} 
Era uma vez, uma preciosa menininha. Sua amiga, a Princesa da Rosa Vermelha, estava sempre ao seu lado.
Então, um dia, sua mamãe e papai morreu repentinamente. A princesa também desapareceu, deixando a menininha sozinha
E a pobre menininha foi mandada para uma casa estranha. Em sua nova casa, os Aristocratas viviam pela Regra da Rosa. Mas a menininha encontrou-se muito sozinha, até que descobriu uma nova amiga maravilhosa.
A menina e sua companheira obedeceram a Regra da Rosa; Pois na Aristocracia, a Regra da Rosa era absoluta, assim como era absoluta a palavra da Princesa da Rosa Vermelha. A menina obedeceu a Regra da Rosa, mas a condessa recusou-se a gostar dela. A menina obedeceu a Regra da Rosa, mas a baronesa ainda assim puniu-a. A menina obedeceu a Regra da Rosa, mas a duquesa zombou dela mais uma vez.
E, no entanto, a menina e sua amiga ainda eram fiéis a Regra da Rosa. A Princesa da Rosa Vermelha achou tudo isso muito chato. E assim, ela emitiu uma Regra da Rosa para o último momento. A menina teria que sacrificar sua amiga muito especial. E quando o fez, ela tornou-se uma princesa. A pequena princesa solitária, sobrecarregada pela Regra da Rosa. A princesa das lamentações coloca suas memórias sob sete chaves, para todo o sempre.
E essa é a historinha do primeiro capítulo. Conforme você vai avançando os capítulos do game, mais dessas historinhas vão sendo liberadas, nos dando algumas ideias mesmo que vagas sobre o que está se passando realmente no enredo. Encontramos algumas notas e áudios ao longo do Gameplay, que precisam de muita atenção ao serem lidos ou escutados, pois a grande maioria dos pontos confusos desse game podem ser esclarecidos ou então teorizados a partir desses arquivos.

Nesse game, lidamos também com um dos arsenais mais bem equipados só que não dos games. "AHHH LIVES!!!!!! Então vamos ter uma escopeta, vamos ter uma calibre 12, vamos ter uma pistola com silenciador, né não?" Não. Nada disso. Rule of Rose trabalha com um arsenal pra lá de simples, onde contamos com armas tais quais uma faca, um cano, um garfo e um picador de gelo, além de alguns outros. "Mas kreanssa, não temos um bocado de imagem da Jennifer empunhando uma pistola?", nem se animem com isso! Essa pistola você pega faltando menos de dez minutos pra encerrar o game, e não dá nem pra usa-la direito. A melhor "arma" que temos aqui é o Brown. Brown possui um comando chamado "Find", onde você faz com que ele fareje um determinado item (seja esse de cura ou qualquer outra coisa trivial), e a partir desse item ele pode achar outro (Que também pode ser um item de cura ou então alguma outra coisinha para que você dê de presente para a aristocracia); Além do que, ele pode te ajudar com os inimigos, o que facilita bastante o Gameplay, apesar de que também é possível que ele acabe morrendo, portanto não podemos deixar ele com os inimigos por muito tempo.

Falando agora nos itens, temos vários tipos. Temos os itens de busca, que servirão para Brown farejar e encontrar outros, e alguns destes são altamente necessários para que você passe de fase; Temos os itens de cura, que num geral são doces, podendo estes curar tanto Jennifer quanto Brown; E temos as armas nesse meio também. Uma coisa interessante de RoR é que, assim como Resident Evil, você tem um limite de itens que é possível carregar, e tudo o que você não pode carregar deverá ser guardado em latas de lixo, nas Safe Room's (Seriam as salas seguras, que não possuíam a presença de nenhum inimigo). O game também adota um sistema de save manual, onde você deveria salvar num aparato que mais parece um cavaleiro feito de cabos de vassoura com um balde na cabeça; Sendo que também é possível fazer algumas perguntas a esse "cavaleiro".

Os inimigos que possuímos no jogo variam entre chefes e os inimigos comuns. Os inimigos comuns são os Imps, que se assemelham a crianças desfiguradas, fazendo parte de lendas contadas dentro do orfanato para assustar crianças. Esses Imps variam de forma durante seu gameplay, podendo tomar a aparência de um porco ou de um peixe também. Já em relação aos chefes, eles tem MUITO a ver com o passado da Jennifer, sem excluir ninguém. Temos as Goat Sisters, temos a Mermaid Princess, temos o Hoffman e tão assustador Stray Dog nesse time de chefes, e na grande maioria deles, você passa alguns mini-estresses pra passar, principalmente aqueles que você tem que usar arma de curto alcance pra matar mais rápido do que uma arma de longo alcance pra que você perca menos vida No meu caso, isso aconteceu com a Mermaid Princess, onde eu tive que me arriscar a matar ela com um cutelo, porque resolver tentar matar ela com o cano tirava muito da vida do Brown.
Comentando sobre as polêmicas de Rule of Rose {Área com Spoiler}

Infelizmente, como nem todo o mar é de rosas, eu tenho que falar do lado negativo de Rule of Rose também, e só poderei explicar mais abertamente essa parte dando oportunidade para discutirmos sobre esse assunto fazendo algumas revelações do enredo, portanto quem não gosta muito de spoilers, pode terminar de ler o post por aqui mesmo, eu não me incomodo.

Pois bem, pra quem não sabe, já tivemos muitos antecessores a Rule of Rose que causaram algumas polêmicas desconfortáveis ao público também, e um exemplo memorável que também tá na minha lista de games de terror psicológico é Silent Hill, e suas situações ainda com citações ocultistas que puseram muitos marmanjos pra correr da tela do PS1. Ele inovou de certa forma, por não procurar simplesmente causar sustos no jogador como Resident Evil fazia, mas sim perturbar sua mente a tal ponto que você não saiba mais se orientar dentro do próprio jogo. Rule of Rose fez isso, porém ele não apelou para cultos demoníacos como Silent Hill, mas sim para a perversidade que simples crianças, que nos são sinônimo de pureza e inocência, conseguem transmitir através dos mais vis e cruéis atos possíveis. O jogo mostrou que simples crianças de doze ou dez anos pode matar animais, torturar e matar pessoas, além de serem agressivas, frias e calculistas, o que foi uma monstruosidade sem tamanho em alguns países, que abriram inquéritos contra o jogo e até mesmo baniram ele dos países; E o jogo não trata apenas do lado sobre violência física da coisa, mas ele também trata da questão da sexualidade infanto-juvenil, além da própria pedofilia.

Querem que eu dê exemplos? Pois bem; A Wendy é o maior exemplo da primeira situação que eu exibi aqui. Essa menina consegue ser mais monstruosa que qualquer outro inimigo ou Boss desse jogo, pois ela teve a frieza de {Spoiler} Matar um animal a sangue frio, e ainda ironizar o ato {Termina Spoiler}, e isso por simples ciúmes da Jennifer. A Diana também é um bom exemplo dos dois casos, pois ela tem como hobbie matar gatos, cachorros, passarinhos, e a qualidade de animal que ela conseguir achar, além de presenciarmos muitas cenas do Hoffman com ela onde a relação dos dois não parecia nem um pouco de superior e orfã; E o pior, ela seduz crianças, e algumas até mais novas que ela. Temos também como exemplo a Meg, que foi uma das pessoas que causou mais discussões juntamente com a própria Wendy; O porquê disso? Ambas possuíam comportamentos homossexuais, no caso, aparentavam ser lésbicas isso no caso da Meg eu não tenho dúvida para com suas conhecidas; E assim, pelo menos na época, esse jogo conseguiu tocar em um dos maiores tabus que temos nesse mundo, aplicando a crianças, o que foi a gota d'água para esses países mais conservadores.

Essa questão da pedofilia aplicada ao jogo levanta discussões até hoje, e não apenas por causa da Diana, mas principalmente por causa da Clara. Ela é claramente uma vítima quase que diária de pedofilia, além de que o Hoffman cometia esse ato com mais de uma interna, na hora que o desse vontade, porque já era um costume dele, sendo que ele claramente fez isso nos anos anteriores que foi diretor; E isso nos lembra ao quê? Cultura de Estupro. Ok, levou muito tempo para que essa questão da Cultura do Estupro fosse levada a discussão mais seriamente, sendo que a condição para que esse tipo de debate se iniciasse com maior força foi extrema No caso, aquela questão do suposto estupro da mulher por trinta homens; A pedofilia também é algo que existe desde sempre, com casos bárbaros que passam pelo nosso nariz sem que ao menos percebamos, e isso nos leva a levantar uma pergunta: E se já temos formada também uma cultura de pedofilia, hein? Vamos esperar o quê acontecer pra que isso deixe de ser um tabu e comece a ser combatido como deve? Principalmente porque temos muitos bebês que passam por essas coisas também, e isso é algo inaceitável, que deve ser precavido antes que seja tarde demais, porque as sequelas desse tipo de coisa são dolorosas, e por demais humilhantes. Levanto esse assunto aqui unicamente porque muitas pessoas enxergam a presença desse assunto em RoR como uma simples tentativa de polemizar, quando ao meu ponto de vista a real intenção disso é levantar discussão sobre tais temas (Não que eu esteja defendendo o jogo, mas ao meu ver foi isso que ele desejava)

Conclusão

Rule Of Rose é um game muito interessante, onde por mais que seu elenco de personagem seja um tanto brutal demais, possui um enredo que te intriga, te amedronta e ao mesmo tempo te prende cada vez mais ao jogo; Seus únicos poréns seriam esses assuntos que ele trata de forma mais violenta, além de ser um tanto difícil de se jogar, onde é preciso ter paciência e relevar as lerdezas da Jennifer. É um jogo que gosto muito, e por mais que seja polêmico, ganhou um cantinho especial no meu core <3

Bom pessoal, por hoje foi só. Estou pensando seriamente em fazer um segundo post sobre Astrologia como aquele que fiz no ano passado, abordando um pouco melhor essa coisa da Astrologia. Por aqui me despeço de vocês;

Thanks Boys and Girls,
Bye,bye

10 comentários:

  1. LIVES SUA LINDA TU TÁ DE VOLTA <3 Ai meu coração *^* E santo cristinho que imagem delícia de post é essa <3 ESSE KAZAMA SEDUÇÃO <3

    Mas, vamos falar desse game que eu mal conheço, mas já considero pakas: Senhor, porque diabos na época de ouro do play2 eu não sabia da existência desse game!? Ele parece ser ESPETACULAR <3 E ainda mais que ultimamente eu tenho tido uma queda por jogos de terror (devido as gameplays que vejo por aí), e ainda por cima um jogo com um enredo tão denso e polêmico como esse <3 (ando numa fase de curtir coisas tretadas). Aliás, a gráfica do jogo também parece ser muito boa para um play2!

    Na boa, essas garotinhas de cara de inocente não tem nada, tipo... OLHA ESSAS EXPRESSÕES DE QUEM DIZ "OLÁ, EU TENHO ALTOS CONTATOS COM O TIO CAPIROTO!" Na boa, não é atoa que a protagonista se deixa pisar por essas pirralhas, VEJA BEM A CARA DE LOKAS DELAS! Tipo, olha bem pra carinha da Margaret...Na boa, a cara dela me dá medinho ç-ç.

    Sobre a Diana... Olha, se fosse tempos atrás eu acharia que esse povo estava apelando muito para as coisas, principalmente colocando uma criança como manipuladora. MAS, depois de umas coisas que eu vi acontecerem na turma do meu irmão na minha ex-escola fundamental, e toda a treta sendo planejada e manipulada por uma guria de 12/13 anos EU NÃO DUVIDO DESSE GAME! Sério, eu infelizmente já conheci criancinhas que são umas Diana da vida. Apenas tirando o fato de seduzir os outros, mas no quesito manipulação tá valendo =/ Aliás, falando em seduzir, eu já ouvi por aí ou li em algum lugar, que crianças quando são violentadas elas podem apresentar comportamento sexual inapropriado para a idade, ou seja, a questão dela seduzir geral é uma evidência bem forte que o filho da putagem do orfanato passou a mão nela.

    Bem, sobre os itens eu nem reclamo tanto, afinal querendo ou não é um orfanato, então ter umas escopetas da vida, umas granadas, fica meio complicado mesmo. (porque imagina só essas lokas psicopatas com arma de fogo na mão! PQP daria mais merda do que já deu!). E é como dizem por aí: Algumas vezes uma faca é melhor do que uma arma.

    Se já temos uma cultura da pedofilia!? Só pegar e dar uns rolés na caralhada de yaois shotacom que tá ali a pedofilia escancarada. Ou pegar shoujos, sim! Há também uma caralhada de shoujos com pedofilia na cara. Aliás, infelizmente eu li um shoujo MUITO ERRADO uns tempos atrás pensando que seria um romance fofo entre mordomo e jovem dama, PORÉM... PQP PENSE NUMA HISTÓRIA MUITO ERRADA! PENSE NUM ROMANCE MUITO FORÇADO E COM MUITO ABUSO! Um marmanjo de não-sei-quantos-anos (acho que beirando os 25-30), pega e abusa de uma garota de 13/14 anos com a desculpa de: "Você está perdida aqui na chuva e com frio, então vou esquentar você"... Ou então, uns tempos atrás em que eu vi uma notícia sobre um revista de moda infantil, no qual havia feito um ensaio fotográfico de roupas de praia com as crianças. PORÉM, sexualizaram 200% as garotinhas! Colocaram elas em poses provocativas, sensuais... Parecia um ensaio fotográfico adulto. Ou então aquela lokinha da MC melody, tipo ela nem sabe o que tá fazendo. Simplesmente um bando de marmanjos e adultos com merda na cabeça fincaram na cabecinha dela que ela tinha que se comportar como uma mini-adulta, rebolando, usando roupinha justa e curtinha.... Na boa, se isso não é cultura da pedofilia, então eu não sei o que é!

    Enfim, eu adorei o post <3 Eu queria MUITO jogar o game, mas provavelmente ele não tem em português, certo Ç-Ç... Porque eu até consigo o emulador do play2 para tacar no meu notebook, mas se o game estiver em inglês aí eu tô ferradinha Ç-Ç

    Kiss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Yooo, Hina-chan!

      Sabe como é né...Já que eu estava sem colocar imagem de intro de Hakuouki já fazia bastante tempo, então boremos usar imagem do nosso vilão sedução do Hakuouki, né?

      Na verdade, eu só cheguei a concluir Rule Of Rose em meados do início do ano passado por meio de um emulador de PS2 que um colega meu arranjou pra pai, porque na época que o game havia sido lançada, eu consegui apenas jogar a parte inicial do game porque: 1) Eu tinha um medinho danado desse jogo, que me impedia terminantemente de jogar ele sem querer correr pra qualquer lugar longe do videogame; 2) Eu definitivamente não sabia me orientar no game, ao ponto de nem saber como salvar o game. Mas isso foi lá para os meus sete ou nove anos de idade, hoje em dia eu não tenho mais essas frescuras. De fato, as CG's de Rule of Rose eram muito bonitas pra época, apesar de que a gráfica do game propriamente dita não fosse (Mas as CG's roubavam o brilho geral mesmo)

      A Margaret é um diabo com quiabo, véi -qq Ela cria as torturas utilizadas no game, e funciona mais como uma cadelinha de estimação da Diana (Na verdade, grande parte dos capetas que temos no orfanato são produto da coerção da Diana, cuja única exceção é a Eleanor, que acabou sendo mais reclusa com o restante depois do que a Diana fez com o pássaro dela)

      {Explicando a história do Pássaro, que funciona como um mini-spoiler: No capítulo "The Bird Of Hapiness", ficamos sabendo que Eleanor tinha um passarinho de estimação dentro da gaiola que ela carrega pra cima e pra baixo, mas em uma determinada época, a Diana assassinou o passarinho, só pra se divertir. A impressão que temos nesse capítulo é que Eleanor sabe que Diana matou seu animal de estimação que ela tanto gostava, mas ela não move um músculo contra ela, e resolve ficar triste calada, apenas fazendo o que lhe é passado}

      Pior que eu também conheci. Não só conheci, como também acabei convivendo com umas Dianas da vida, tanto é que nem fiquei tão espantada quanto a maioria em relação a esse aspecto da personagem. Penso eu ter lido uma matéria dessa também, mas eu não lembro onde; Mas concordo completamente com o que a matéria diz, afinal o único lugar onde vemos a Diana chorando e com nojo de si mesma é quando ela é chamada pelo Hoffman pra "conversar".

      Pior que é verdade, no caso dos itens estamos bem de boas, não precisa colocar arma nenhuma na mão dessas kreanssas do tio Lucy não -qq

      Pior que eu já dei de cara com muitos enredos assim, que forçavam a barra de um romance shotacon/lolicon com desculpinhas esfarrapadas desse estilo, onde podemos colocar aqui o próprio Super Lovers (Tipo assim, eu dei uma bisoiada no anime pra saber porque diabos tava rolando tanta treta ao redor dele, e realmente...o negócio que rola entre o irmão mais novo e o mais velho é irracional, véi! Principalmente em relação ao irmão mais velho). MC Melody é um caso fortíssimo dessa questão de cultura de pedofilia, mas isso é principalmente falta de orientação dos pais, que não ensinam a menina sobre essa questão dela estar sensualizando demais, dela acabar sendo alvo de assédio de pessoas muito mais velhas que ela, e por aí vai (Eu tenho a impressão de que o único interesse deles é o dinheiro que ela tá ganhando com tudo isso...)

      De fato, o game está em inglês infelizmente -qq Mas temos alguns vídeos no Youtube que contam a história do game e vários gameplays também (Só não sei te informar se tem gameplays em PT/BR, mas vídeos explicando a história tem)

      Kissus

      Excluir
  2. OLÁÁÁ LIVES \O/
    GENTE COMO EU DEMOREI PRA BROTAR AQUI, DESCULPAAA!! Mas agora tu vai ter que me aguentar aqui :v huehue.

    AGORA VAMOS FALAR DE GAMES, PORQUE GAMES É TUDO DE BOM.
    SAUDADES PS2 </3!! Lembro que meu pai vendeu ele pra poder comprar o X-box 360 ~que eu ainda tenho, graças a Deus~, mas PS2 foi o primeiro console que eu joguei... ENTÃO, SÓ SAUDADES.

    Já tinha lido algo sobre esse jogo, mas né, nunca joguei *crying*
    SÉRIO, AS CARAS DESSAS GAROTAS, SOCORRO QUE QUE É ISSO??!! Olhando assim não parece dar tanto medo assim, mas na hora de jogar...VISH, dá até uns mini ataque do coração quando elas aparecem.
    Não sei se vou ser esquartejada por falar isso, MAS EU VOU FALA: Assim, ok o jogo mostra que até as crianças que sempre são as "puras e inocentes", podem ser psicopatas. NÃO VOU MENTIR, ADORO ISSO. Cara eu acho super genial porque mostra que mesmo que a pessoa tenha uma cara de santa, ela pode ter um psicopata dentro de si, gostar de torturar as pessoas. Isso é errado pra caralho? É SIM! Mas é um GAMEEE!! Não vejo nada de mais já que é um jogo, não a vida real e meu sangue sobe quando alguém vem falar que: "games deixam as pessoas violentas", pelo amor de Deus Yato PAREM, OBRIGADA huehue~

    Sério mesmo que não tem a pistola?? ;-; QUE TRISTEEE!! Achava que ela ia sair pelo orfanato matando geral tipo: "PEW PEW matei você, PEW PEW", mas acho que estava enganada :'). Mas adorei o cachorro ou como você disse: "DÓGUI", também quero um huehue~ Mas achei até legal ser bem desafiador assim, já que não tem tantas opções de armas, FICA BEM MAIS RADICALMENTE RADICAL.

    "perturbar sua mente a tal ponto que você não saiba mais se orientar dentro do próprio jogo" NÃO VOU MENTIR, ADORO ESSE TIPO DE GAME!! Principalmente os que tem uma história bem envolvente que você sempre fica morta na farofa em alguns momentos, que você fica louca pra saber o quê vai acontecer: ou seja, TODOS SOFREMOS COM GAMES (principalmente quando você fecha o jogo... nossa, dá até um aperto no coração e um orgulho de você mesmo "cara, zerei minha vida").
    Não sou muito fã de jogos de terror, mas tem alguns que valem a pena mesmo (como esse). Como eu queria ter todos os tipos de console na minha casa ~triste a vida.

    Adorei o post (deu até vontade de falar sobre um game no meu blog doido... vou fazer isso :v)
    Fui~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Yo, Alone!!! Pois pode vir aqui quantas vezes quiser de novo, que EU TE AGUENTO, KKKKKKKKKKKKKKKKKKK.

      O primeiro console que eu joguei foi o PS1, e esse me deixou tantas saudades quanto o PS2 ;---; No PS1 eu joguei Final Fantasy, Castlevania, Chrono Cross, Street Fighter, The King Of Fighters, uma caralhada de jogo bom que me faz muuita falta hoje em dia ;---;

      Não dá ataque no coração não, mas dá vontade de chamar o exorcista pra ver se dá jeito nesses demonho de Netherhealm #exorcisa. Na realidade, dependendo de como o enredo trabalha e expõe esses temas, eu também me agrado muito com a história, e também acho super sem noção quem relaciona violência na vida real com games, afinal pessoas que não conseguem separar o real da ficção nem deveriam entrar em contato com isso, é ou não é?

      Na verdade tem, mas você não usa a pistola como num Resident Evil da vida, ela funciona mais como um item pra que você encerre o game. O melhor do game te dar poucas opções para se defender e ainda dar o Brown é que o doguinho pode morrer, daí você não pode deixar ele confrontando os inimigos por muito tempo, o que te obriga a fugir, e fugir acaba te desesperando ao ponto de que você não saiba mais o que fazer senão deitar em posição fetal e chorar, heheheh.

      Um game que tem me deixado bastante nessa vibe de sofrência com os games é o próprio The Cat Lady, cuja história confunde tanto quanto RoR, além de ser um game com uma história pakas perturbadora e com quebra cabeças que te levam no limite. Logo mais falarei dele aqui no blog ;)

      Kissus (vou ficar de olho nesse post do game que você ficou com vontade de fazer, hein:))

      Excluir
  3. Olá, Lives! \o/

    Primeira vez que visito o blog e o que posso dizer é: JÁ GOSTEI.

    Você havia mencionado "The Cat Lady" em um comentário em meu blog e eu irei adorar se você fizer uma postagem falando do jogo da mesma forma que fez com Rule Of Rose, porque depois de ter uma ideia sobre o enredo, A VONTADE DE JOGAR ISSO AÍ GRITOU!

    Rule of Roses parece ter aquele enredo super tenso e intrigante. E essas criancinhas parecem mostrar o lado mais perverso e assustador da natureza humana. É aquele jogo de terror psicológico que não está ali para te dar sustos, mas sim para literalmente entrar na sua cabeça.

    Conforme você falava dos personagens do jogo, me fez lembrar de um personagem de um anime que estou terminando de assistir, Monster. Tal ser é literalmente um monstro desde criança, ele simplesmente esmaga psicologicamente os personagens com que ele se depara.

    Enfim, achei o jogo deveras interessante. Tem em português? Porque jogar em inglês fica meio difícil para mim. T_T

    Beijos!

    Coud

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Smoak!

      Fico feliz que tenha gostado, e seja bem-vinda ao blog!

      Ahh, The Cat Lady é um jogo muito fascinante, principalmente por ele trabalhar a questão de um pós-morte confuso, onde você não sabe se você tá morto mesmo, se você tá vivo, porque diabos você está fazendo que o que está fazendo, além de mexer com psicopatas nada simpáticos também -qq Pode deixar, tratarei de te empolgar com The Cat Lady da mesma forma que fiz com Rule of Rose!

      EXATAMENTE ISSO! Sou completamente apaixonada por games de terror psicológico por esse aspecto mais aterrador que ele possui, a ponto não apenas de te assustar, mas fazer as mentes fortes refletirem sobre o que ele te fez ver e causar pesadelos as mentes mais fracas (mas tem o caso que eles acabam fazendo as duas coisas, hehehe).

      Me interessei por esse mangá agora, e vou tratar de procurar ele quando possuir um tempo livre, porque atualmente a vida tá pakas corrida, kkk

      Infelizmente não, o game possui apenas as línguas japonesas e inglesas. Porém, existem vídeos que explicam a história e vários gameplays no youtube também em PT/BR, se você quiser matar um pouquinho a curiosidade!

      Kissus

      Excluir
  4. Liveees o/

    Sobre a nova fic, fiquei curiosa, apesar de que se for com os integrantes do BTS eu vou fazer a mínima ideia do que se trata ahsuhasuhauhs E aquela outra fic que você postou aqui o primeiro capítulo? Vai terminá-la?

    Agora, sobre o jogo. Eu tenho um certo receio (poderia dizer cagasso mesmo, whatever) de jogos assim, jogos de terror são o tipo de coisa que eu fujo mesmo, porque sei lá, me sinto dentro do jogo e aí quando acontece alguma coisa assustadora eu quase morro e desisto de jogar. -q Eu prefiro assistir filmes de terror, por exemplo, porque eu não tenho que interajir e posso fechar meus olhos em alguma parte tensa, enquanto no jogo, bem... Eu preciso agir, né? Então é por aí. Prefiro coisas mais purpurinadas como Kingdom Hearts, ahsuahsuhaushuhas! Mas vamos lá, vou comentar sobre o resto das tretas!

    SOCORRO EU FIQUEI COM MEDO SÓ DE LER A SINOPSE! EU VOU TER PESADELOS HOJE! SAI CAPETA!

    Sobre as personagens, elas parecem a encarnação dos filhos do capeta (?), enfim, cada uma pior que a outra; e sei que muita coisa não foi dita porque seria spoiler, mas ao menos a primeira impressão que tive é que todas são horríveis. E esse Dr. Hoffman, que horror, já estou odiando o homem. D;

    A jogabilidade não parece tão ruim, mas parece ser meio difícil (principalmente pra pessoas como eu, que se assustam fácil e querem desligar o jogo e fugir. -q)

    Eu li a parte polêmica com spoilers, afinal não pretendo jogar meeeesmo. Concordo com você, apesar de não ter jogado, acho que a intenção do jogo foi trazer estes temas à tona para serem discutidos, não apenas por razão nenhuma. Afinal, pedofilia é algo mais abominável ainda do que estupro, e é algo que acontece aos montes e não tem tanta repercussão na mídia quanto deveria, porque é um tabu. Dá licença, já deu de gente querendo abafar temas como aborto, estupro e pedofilia, são coisas que precisam ser discutidas, explicadas, em casa e na escola, na mídia, etc. Acho super válido que o jogo traga isso à tona.

    Aliás, sobre a cultura da pedofilia, o tanto que a gente ouve falar de deep web e sites que ficam lá só pra pessoas que gostam de "apreciar pedofilia" (sério, dá nojo só de escrever isso, to quase vomitando no meu teclado) - e nem precisa ir muito longe, isso acontece muito dentro das famílias mesmo, e inclusive é quando é mais complicado, porque às vezes se trata de pai, tio, padrasto, essas coisas. Daí vemos crianças sendo sexualizadas, menininhas dançando funk, roupas de crianças que não deveriam ser (saiu uma polêmica a um tempo atrás de uma camiseta infantil escrito "vem ni mim que eu to facin", QUE ISSO MANO). Até os brinquedos, ou aqueles concursos de miss mirim, enfim, várias coisas que mano, não dá pra negar a cultura da pedofilia.

    Apesar de eu ter dito que não pretendo jogar, achei o jogo muito legal sim, gostei da ideia e do design, e pode ter certeza que vou procurar toda a história e spoilers na internet pra ficar a par do jogo. -q

    Bye bye o/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Yo Helo!!!!!

      Então, eu ainda estou escrevendo essa fic, e parei com ela um tempinho (no capítulo 6 mais especificamente) para arranjar mais inspirações para ela; Afinal, não vou jogar uma das minhas ideias iniciais favoritas no esquecimento -qq Talvez apenas aperfeiçoe a noção do enredo mais tarde, mas ainda temos tempo para isso.

      Eu, nessa questão, prefiro muito mais jogos do que filmes, mesmo porque, determinados jogos possuem enredos bem melhores que alguns filmes de terror (Por exemplo a saga Clock Tower, Fatal Frame, o próprio Rule of Rose, The Cat Lady, The Evil Within, etc), mas também não podemos desmerecer filmes de terror, uma vez que vários games pegaram referências de filmes de terror, principalmente os clássicos.

      ~carma, muié, kkkkkkkkkk

      De fato, todas as meninas desse jogo fazem maldades sem tamanho, o que as tornam verdadeiros monstros; A pior de todas, pelo menos para mim, é a Wendy. Eu tenho completo ódio dessa garota desde que ela fez o que fez pro meu dógui por simples ciúmes, e eu sou mais sensível que o normal com histórias relacionadas a violência com animais.

      O único problema real da jogabilidade (pelo menos pra mim) seria na questão das bugadas que ela dá e na mini-lerdeza dela ~mas isso se torna relevante conforme você vai jogando~.

      De fato, também fico super feliz que o jogo tenha trazido o assunto de forma mais aberta, já que o mundo se nega a falar de algo que acontece com tanta frequência e de forma tão descarada, e que a mídia mascara simplesmente por ser um tabu. A verdade é: tabu o k7, isso é uma realidade, e temos que falar dela antes que algo de proporções maiores ainda aconteça.

      Isso daí é causado unicamente pela falta de orientação dos pais para com seus filhos, que inventam de fazer desses assuntos importantes coisas "feias" ao invés de prevenir seus filhos sobre o perigo que o mundo traz em relação a isso -qq E pior são esses pais de crianças funkeiras, que preferem muito mais ganhar dinheiro as custas dos filhos do que cuidar deles.

      Fico feliz que tenha se interessado pelo jogo, e procura mesmo, porque o enredo completo vale a pena <3

      Kissus

      Excluir
  5. Liveeeeees~

    Esse jogo parece ser deveras interessante. Assim, o enredo parece super dahora e, sei lá, se fizessem um anime disso eu provavelmente ia ver -q. Porém, é um jogo. E de terror. Eu sou daquelas que quando joga jogo de terror entra em pânico e sai correndo e evita olhar pra tela (é). Eu não suporto nem jogos fraquinhos (tipo Slanderman), imagina esse XD

    Mas, enfim. Essas meninas parecem a incarnação do capeta -qqq. E esses fundos dos gifs com velas não ajudaram nada a melhorar elas lol. A Diana parece ser muito do mal, mas de algum forma, eu simpatizei com ela (muito provavelmente pq ela chama Diana e eu gosto desse nome) - se bem que parece muito errado simpatizar com qualquer uma delas D:
    E esse cachorro parece ser puro amor.

    Bom, eu li a parte com spoilers.
    Eu acho muito o válido o jogo trazer a discussão de sexualidade e de abusos sexuais. O mundo precisa de coisas polêmicas e chocantes para mudar pelo menos um pouco.
    Quanto a cultura de pedofilia, de certa forma, acho que já existe - meio que junto com a cultura do estupro. Existem coisas muito estranhas acontecendo. Tipo, os caras falando da menina do master chef junior (ou kids, não sei o nome do programa). E, mano, a primeira vez que eu sofri com uma cantada na rua, eu devia ter uns 9 anos... tipo, eu nem sequer tinha seios, sabe? Aonde esse mundo vai parar?


    Ah, sim. Espero ler sua fic em breve. Eu gosto muito de imagines, mas eu tenho muita preguiça de procurar esse tipo de coisa pra ler pq o pessoal nao sabe escrever D:, se você me dar uma fic de bts de bandeja assim eu vou me sentir muito privilegiada -q

    Bom, até mais~~
    [ Maa Maa~ ]

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Yoo, Ren!!!

      Eu era dessa mesma forma já somam cinco anos atrás, mas eu passei por tantas experiências com tantos filmes/contos/jogos de terror que acabei me acostumando, daí raramente alguma coisa assim voltou a me acontecer de novo (Só com determinados filmes de terror que a coisa ainda fica tensa, mas mesmo assim, depende do assunto que ele aborda também).

      Em realidade, a única que eu possuo verdadeiro ódio do game inteiro é a Wendy. Pense numa vaquinha mococa mirim, PENSE. Ela consegue ser mais fria ainda que a Diana (Se bem que Diana gosta de matar animais com bastante frequência, independente do tipo ou da raça -qq).

      Também acho, mesmo que alguns filmes de terror acabem estrapolando esse tema, e de crítica passa a se tornar uma coisa banalizada, mas ainda bem que isso não aconteceu com Rule of Rose. Mano, que horror, com nove anos? Senhor, o que diabos um ser humano em sã consciência faz soltando cantadas pra meninas de nove anos? SENHOR, que falta do que fazer (e o pior é que ainda tem algumas que gostam, você acredita?).

      Ahhh, assim eu fico super motivadona pra postar a fic aqui! Bem, pelo menos o primeiro capítulo eu PROMEEEETO postar aqui :33333

      Kissus

      Excluir