20/05/2016

Yami no Tochi {New Fic}+Aviso

Yo, minhas kreanssas das trevas!

Sabe aquela sensação de um bilhão de coisa pra fazer, mas pouco tempo pra tudo isso? Eu realmente penso onde é que eu vou achar tempo pra tudo o que tenho que fazer, principalmente porque tenho me interessado ultimamente por alguns romances antigos, tanto japoneses quanto norte americanos; Um livro que tomei como principal a ler é "As vinhas da Ira" de Jonh Steinback; Sim, me interessei por esse autor por causa de Bungou Stray Dogs, não vou mentir. Estou citando o título aqui para o caso de, se algum de vocês aí já tiver lido esse livro, que me passassem sua opinião sobre ele, yep?

Hoje é o dia em que minha pessoa resolveu ressuscitar o aparecimento de Fics aqui no blog; Se bem me lembro, a última fic que eu postei aqui foi um conto que eu fiz Nem me lembro direito como ele era bem nas pressas mesmo, porém essa fic que lhes mostrarei agora é uma que levo muito a sério, já digitei bem uns cinco capítulos adiantados, planejei os personagens, inclusive eu faço questão de comentar cada ponto dessa fic aqui com vocês, inclusive em quê inspirei cada personagem, e quero fazer alguns comentários também sobre o enredo de uma maneira geral, e eu realmente estou a ter uma seriedade maior com esse enredo aqui, e se essa fic for do agrado de vocês, eu prometo postar uns cinco ou quatro capítulos aqui no blog (Mensalmente, lógico).

Lerigooooooou!!!!!

Alguns Comentários Iniciais

Bem, pra quem não sabe, recentemente mudei meu site de fanfics/fics do Nyah! para o Spirit. Eu fiz isso unicamente porque, ao visitar o Spirit e ver como as coisas funcionavam por lá, achei que seria mais divertido que no Nyah!, e de fato, eu estava certa; Tenho me divertido bem mais no Spirit, e digamos que isso somado á seriedade com a qual estou determinada a prosseguir essa fic, já é meio caminho andado pra mim. A parte da fic que irei apresentar agora não será o prólogo (como é meu costume apresentar antes), mas sim o primeiro capítulo definitivo da história. O nome da fic é "Yami no Tochi" ou "Terra da Escuridão". É a primeira fic longa (No caso, com mais de dez capítulos) que eu escrevo, e eu particularmente estou muito contente com  rumo que ela está tomando, e é quase certeza que muita gente vai me crucificar pelo que estou fazendo aos personagens na reta final, mas fazer o quê, é essa a minha intenção ;)

Meu Perfil no Spirit (www)
Sinopse+Dados da Fanfic

Classificação Indicativa: +16
Gêneros: Ação, Romance, Seinen, Drama

Sinopse: Em um mundo atormentado pelo pós 3ª Guerra Mundial, acompanhamos a jornada de Rakutsu e Suzaku através da única forma de parar uma ameaça mundial de âmbito científico, além de ser capaz de provar a inocência de Rakutsu mediante a um crime que foi acusado injustamente, que o fez ser exilado de seu Império. Em meio a isso, iremos conhecer mais da história da misteriosa e desajeitada Suzaku, que nada do que aparenta ser é em realidade...

Leitura no Spirit (www)

Só devo lhes lembrar que essa fic ainda está em construção, e eu posso mudar o gênero futuramente, ou quem sabe a própria classificação indicativa!
Capítulo 01-Semeando a Discórdia
Aquela era, sem dúvida, uma casa enorme; Tão difícil de limpar como um palacete, ou até quem sabe um plenário. Mesmo com toda sua grandeza, por seus corredores estreitos não se ouvia o sibilar de um só espírito, ou o andar de qualquer animal. Assim era o casarão dos Tochizawa, construído ainda na Dinastia Ming, possuindo uma estrutura deveras rústica, tais como seus chãos de madeira e algumas paredes de pedra fria. Ainda assim, havia alguns elementos da modernização, como lâmpadas incandescentes em formato de lustre, algumas portas eletrônicas ativadas unicamente pela retina dos membros da família Tochizawa, algumas escadas rolantes que terminavam em alguns porões escuros, que a propósito, nenhum empregado nunca entrava para limpar, ou sequer espanar aqueles locais tão nefastos; Reixia não permitia nem que seu próprio irmão entrasse naqueles lugares, e acreditava-se até que nem a própria líder destemida do Senkai pernoitasse tais sítios. 

Ainda naquela mesma noite, Suzaku havia sido chamada pela própria Reixia até seus aposentos; E isto boa coisa não significava. Das empregadas ali presentes, Suzaku era, com toda certeza, a pessoa de menor importância, e não imaginava qual motivo que a ditadora mais temida dos Impérios tivesse chamado tamanha criatura. Já fazia mais de dez anos que trabalhava naquele casarão, e chegara lá de forma tão imprevisível que nem ela mesma sabia por quê. 

- Mas o que será que aconteceu? -Pensou consigo mesma, com a fala mais firme - Será que ela vai me chamar atenção? Mas eu não fiz nada nos últimos dias... Mas claro, o que se pode esperar de uma ditadora que esconde um laboratório no porão, e acha que consegue enganar a todo mundo pelo tempo que achar conveniente... 

Sim; A ditadora escondia um laboratório no porão da casa, veridicamente. Eis o motivo de nenhum empregado entrar lá... Nenhum menos Suzaku. Ela havia entrado lá já faziam alguns anos, pois o ambiente estava semelhante ao de uma catacumba: Completamente sujo, exalando o odor de cadáveres. Então, a ela foi confiado o segredo da existência desse ambiente, com a clara ameaça de morte caso ela contasse a alguém... Como se Suzaku temesse a morte... 

Chegando aos aposentos de Reixia, Suzaku tomou sua fala gaga e um tanto vacilante novamente, batendo na porta com suas mãos tremendo. 

-S-Senhora! S-Sou e-eu! P-Posso e-entrar? Ouviu-se o andar de alguém na direção da porta, cujos passos emitiam sons de bota com salto. A porta foi aberta por um homem alto, de aparência séria e fria. 

-Milady Reixia ordenou que você entrasse. Então passe e seja rápida. 

Que voz fria, não? Pensou Suzaku. Andando lentamente até um divã acolchoado vermelho, delineado por partes de madeira rústica, muito bem polida e serrada com perfeição, se encontrou com a infame ditadora, fumando Narguillé a base de tabaco fresco, tendo seu design completamente lilás, que era das cores, a mais apreciada pela ditadora. 

-Aproxime-se Suzaku. 

A voz direta da ditadora era de certa forma, fria; A tal ponto de se considerar nefasta e indiferente. 

-Preciso que me responda algumas perguntas. Quero que as responda da forma mais objetiva possível, e evite essa sua gagueira de sempre, sim? 

-C-Como quiser... 

-Sabe, de uns dias para cá tenho notado que você anda muito tempo com meu irmão. Tempo demais, para ser sincera...

 Levantando-se do divã, Reixia se dirigiu até Suzaku, e olhando em seus olhos, seu olhar se tornou melancólico, e a pergunta saiu com um ar de preocupação: 

-Você tem notado algo de diferente nele por esses dias? 

Suzaku não poderia deixar de estar abismada; A ditadora que jamais dera bola para o irmão menor, como em um passe de mágica, faz uma pergunta dessas? Quem não desconfiaria de tal ato? 

-Não Senhora. Ele anda o mesmo de sempre, animado, energético, um pouco frio quando se trata de dar ordens; Não tenho notado nada de diferente...

Em um suspiro, a ditadora se distanciou. Parou no parapeito da janela, e começou a olhar com um ar pensativo pela janela. 

Tenho vontade de perguntar por que ela está assim, mas acho melhor ficar quieta... 

Em meio a seus pensamentos, Suzaku fez reverência á ditadora, e se retirou do local. Encostada á porta do quarto da ditadora, se perdeu novamente em seus pensamentos: 

-Porque será que estou com um mau pressentimento? 

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

-Senhora Reixia?

O alto guarda-costas da ditadora pôs-se a falar com sua mestra, com o cuidado que um animal de estimação tem para com seu dono. 

-Soma, preciso que você me faça um favor. É um pedido muito sério, e se não cumpri-lo como mandar, pode ser o último que você faça. 

-O que quiser senhora! 

Retirando-se do parapeito da janela, a ditadora se dirigiu á seu confiável guarda-costas, e disse algo que o deixou surpreso: 

-Mande toda a guarda do casarão se armar. Iremos prender um criminoso que se instalou nessa casa debaixo de nosso nariz, mas finalmente descobri o plano desse rato miserável, e desejo eliminá-lo o quanto antes; E a sua cúmplice também. Quero ambos mortos, nem que eu mesma tenha que assassiná-los. 

-Senhora... Soma estava receoso em questionar o que desejava, porém, decidiu que deveria fazê-lo;

-Desculpe me intrometer, mas a quem a Senhora se refere quando diz “O rato miserável e sua cúmplice”?

-Realmente não percebe de quem falo, Soma? Pensei de você ser mais inteligente que isso. 

Se aproximando dele, o olhou nos olhos com um olhar penetrante; Semelhante àqueles olhares dos pais que estão para aplicar um castigo terrível aos filhos.

-Descobri, há algum tempo, quem assassinou meu pai; E quem o ajudou nessa façanha... 

Puxou a cabeça do guarda-costas para baixo, e começou a lhe sussurrar no ouvido: 

-Rakutsu matou meu pai; E aquela mosca morta da Suzaku quem o ajudou... 

Soma estava de fato surpreso. Como poderia um filho, que amou seu pai mais do que ninguém, poderia ter tido a coragem e frieza de assassiná-lo. 

-M-Mas Senhora! Isso não tem a mínima lógica! Senhor Rakutsu tinha apenas oito anos quando Senhor Mutsuhito foi assassinado! Como pode que... 

-Isso me leva a lhe revelar outro fato chocante. 

Em um suspiro pesado, Reixia sentou em seu divã, pondo-se novamente a consumir seu Narguillé, e revelou ao homem: 

-Rakutsu é um Forvandlet, Soma...Não sei como, mas ele é... 

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Na manhã seguinte, Suzaku se dirigiu ao quarto de Rakutsu, para acordá-lo, como costumeiramente fazia. Mal o dia havia começado, podia-se ver que o tempo estava completamente fechado, onde se podia ouvir trovoadas fortes, além do som que o vento causava, enquanto passava ligeiramente entre as folhas das árvores, fazendo com que essas se remexessem para frente e para traz, tal como uma cadeira de balanço. Suzaku estava na porta do quarto de Rakutsu, quando pode notar a movimentação de alguns soldados da casa em direção ao Empório de Munição. 

O que será que está acontecendo? 

Mais que depressa, Suzaku entrou no quarto de Rakutsu, tomando certa surpresa ao notar que não só já estava acordado, como também estava vestido com uma de suas roupas de guerra, que consistia em um casaco preto de mangas longas, estilo, sobretudo, sobrepondo uma camisa branca de gola alta, ainda com uma calça preta lisa, tendo um cinto, que possuía uma bainha ao lado esquerda, para guardar sua espada, e um espaço em sua costa para guardar uma SR-25, que era , de todo cuidado, limpada a arrumada todos os meses pelo próprio Rakutsu. 

-Ah, é você Suzaku. 

-O que está acontecendo aí fora? 

-É uma longa história, mas não é isso que interessa...Sabe Suzaku, quero saber se você realmente é fiel a promessas. Você é?

Suzaku estanhou a pergunta, mas com curiosidade de onde aquilo iria levar, respondeu com segurança: 

-Essa pergunta não tem por que de ser feita; O Senhor bem sabe que sempre cumpro promessas!

-Então me escute: Ele se aproximou de Suzaku em uma rapidez estranha, pegou-a pela mão e lhe questionou: 

-Você pode prometer que nunca vai me trair ou me deixar? 

Suzaku, naturalmente, estranhou tal indagação; Porém os olhos sinceros de Rakutsu fizeram-na deixar a desconfiança de lado, e lhe responder com segurança: 

-Claro que posso! Desde que me conheço por gente nós temos esse tipo de promessa, mesmo sem que o Senhor tenha a feito antes. 

-Então ótimo!  Rakutsu novamente mudou de tom repentinamente. Tomou em suas costas uma mochila gigantesca, aos olhos de Suzaku, murmurando algo tão repentinamente como sua mudança de tom: 

-Você vai ter que fugir comigo agora. 

-Eu o quê? Mas por-- 

Neste mesmo momento, podiam-se ouvir tiros do lado de fora do quarto, misturando sons de fuzis de assalto com metralhadoras pequenas, pela velocidade com a qual os tiros eram coordenados.

-Bem...Digamos que é por isso; Tendo em vista que você tem amor por sua própria vida... 

Rakutsu simplesmente tomou Suzaku em seus braços, e lhe disse no mais alto e bom tom: 

-Você pode ver que não tem opção! 

Suzaku já estava a estranhar muita coisa, principalmente o fato de agora estar prestes a ser morta por tiros de fuzil, que começavam a se dirigir ao quarto de Rakutsu. Ele, notando que o barulho dos tiros se tornava cada vez mais forte, correu para uma das janelas de seu quarto e pulou por ela, quebrando o vidro da janela em mil pedaços. 

Será possível que ele ficou LOUCO?! Pensou Suzaku. Ela pode notar que, para um humano normal, que é facilmente atraído ao chão quando pula, eles estavam a bastante tempo no ar. 

Ele está...FLUTUANDO? 

Após projetar seu pensamento, ela e Rakutsu haviam chegado ao chão, e ele começou a correr em uma velocidade completamente surreal, impossível de ser realizado por um ser humano normal. Os soldados já haviam chegado ao encalço dos fugitivos, motorizados e fortemente armados.

-Suzaku; Vou fazer uma coisa, mas você precisa confiar em mim. 

-O qu— Nesse mesmo instante, Rakutsu jogou Suzaku para cima, juntamente com a mochila que havia carregado durante a corrida.

-Você sabe o que tem que fazer!  Disse ele, enquanto ela se tocava do porque de ter sido jogada aos céus. 

-Senhor...EU ODEIO QUANDO VOCÊ FAZ ISSO! Ela berrou, enquanto sacou duas metralhadoras da bolsa, realizando uma chuva de balas em todos os guardas que estavam ao seu alcance. 

-O Senhor tem noção do quão confortável é ter de fazer isso sem prévio aviso? Eu fui jogada de qualquer jeito! Se eu não tivesse me tocado de suas intenções, teria voltado ao chão com meu pescoço quebrado! 

-Desculpe. Você sabe que eu sempre achei melhor fazer tudo de improviso! 

Tal conversa era realizada em meio á um banho de sangue que Suzaku realizava com suas armas; E Rakutsu se utilizava de sua espada, que era feita de metal raro, tendo sido forjada ainda na época de seu pai, que a deixara como herança para seu filho. 

Ambos os fugitivos se utilizavam de suas armas com total maestria; Como se treinassem a melhor forma de utilizá-las todos os dias. Não tardou que todo aquele exército fosse aniquilado, da mesma forma que não demorou se chamado outro. 

-Você gosta de motos, Suzaku? Antes que ela notasse, já estava na garupa de uma moto dirigida por Rakutsu, se distanciando daquele casarão, com a única certeza de que não voltaria a pôr os pés lá. 

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A chuva continuava do lado de fora, e pelas circunstâncias atuais, Rakutsu e Suzaku se instalaram em uma caverna, não muito longe do casarão. Suzaku estava muito séria, relembrando-se dos momentos que passara com Rakutsu nas últimas quatro horas. 

-Senhor, existe uma coisa que ainda não me explicou sobre nossa situação: Porque todos estão tentando nos matar? Indagou Suzaku subitamente. Rakutsu estava com sua expressão séria e fria, como se estivesse para anunciar o falecimento de alguém. Em um suspiro pesado, se aproximou de Suzaku, tomando a mão dela entre suas mãos, lhe afirmando o seguinte: 

-Suzaku, te escondi isso por muito tempo, e acho que em uma situação como essa, não tenho mais porque continuar omitindo isso. Não sei por que querem me matar, mas talvez seja porque descobriram que eu... 

Ele se conteve. Em uma das raras vezes de sua vida, Suzaku estava assustada com Rakutsu; Tinha medo do que ele poderia lhe dizer agora. Seria algo grave? Após um suspiro mais pesado que o anterior, Rakutsu pôs-se a olhar profundamente os olhos de Suzaku, e como se estivesse retirando um peso de suas costas, lhe afirmou: 

-Eu sou um Forvandlet, Suzaku.. 

 Você...o quê? 

                                                                                                                CONTINUA...
Meus comentários em relação a essa fic

Então, essa fic está realmente sendo algo bom pra mim. Por conta dela, andei lendo mais romances atuais, como os do próprio Dan Brown, que foi utilizado até mesmo em um trabalho escolar recente meu, e andei pesquisando sobre bastante coisa, principalmente sobre armas (Quem leu nem vai precisar me perguntar porque, né?) e sobre ciência, porque minha trama vai mexer bastante com isso. Para quem tiver curiosidade, o link do prólogo é este (www). Não coloquei o prólogo aqui porque ele tende a ser uma espécie de "Capítulo Piloto" para a história original, ou seja, eu posso mudar bastante coisa do enredo até o último capítulo; Porém, eu expliquei uma boa parte da história passada dos nossos amados personagens, além da questão histórica que meu enredo possui.

"Questão histórica, Lives? Como assim?" É simples: Nenhuma história ambientada em um mundo pós-guerra, como esse enredo que propus, pode simplesmente dar a desculpa do "Ah, é que teve guerrinha, bem bonitinha, rolou tretinha hardcorezinha, o mundo acabou em cinzinhas, e agora papelão é cem reais", mesmo porque eu já disse que estou levando essa fic a sério, e cada pentelho dela precisa de uma justificativa boa, comparável aos antecedentes dos conflitos mundiais que vemos em livros de história por aí. Quem for ler esse prólogo de uma maneira crítica Que seriam recebidas de bom grado as possíveis críticas construtivas que vocês tenham a fazer vai ver que eu explanei uma parte do que possivelmente teria resultado no cenário em que o mundo de YnT se encontra, (mesmo que essa explicação seja a mistura de uma leitura com os pensamentos de nossa protagonista feminina, Suzaku) e sim, resolvi usar a política e a economia como pano de fundo para nossa história;

Apesar de ser um assunto que nem todo mundo tem paciência de discutir/ler, achei que seria uma boa justificativa para os fatos posteriores, apesar de que eu também tivesse pensado em outra forma de justificar o que acontece no enredo, porém essa resolvi descartar e admito que foi uma boa escolha; Mesmo que seja algo que exija muita pesquisa para se tratar com um mínimo de clareza, o enredo acabou se tornando mais flexível graças a isso, onde eu também pude incluir fatos científicos no meio do enredo, o qual teremos a presença também dos Forvandlet's. Forvandlet é uma palavra norueguesa que significa "Transformado", que seriam seres humanos com DNA alterado de uma forma específica, utilizando indivíduos doentes e se aproveitando da doença deles para criar uma espécie de cura para cada doença viral/crônica existente no mundo, que obviamente deu errado de uma forma catastrófica. Vocês saberão mais sobre isso a partir do Capítulo 5-7 da história.

A história em si teve muitas inspirações, principalmente no âmbito musical, que chega a me dar ideias mais que a própria literatura gótica, que desde sempre me foi fonte de informação e fonte de ideias para fics. Uma música que me inspirou essa enredo foi Evil Warning do Angra; Que como muitos sabem, é a minha música favorita de rock, cuja letra me inspirou a formar esse mundo caótico de YnT. Letra da música traduzida aqui (www)


Também temos as músicas que inspiraram os personagens, não? Suzaku foi inspirada na música Black Widow da Iggy Azalea (Detalhe: a pessoa que a música descreve não representa a personagem nos cem por cento da coisa, ok?), e quanto ao Raku -Eu chamo ele assim-, ele foi inspirado na música Rebirth, também do Angra. Letra dessa música aqui (www) e a letra do Black Widow aqui (www)





Eu sou obrigada a falar dessa moça aqui porque assim, mesmo que eu tenha feito tanto a Suzaku quanto o Raku inspirados em músicas que eu gosto muito, ainda existe uma personagem que supera esses dois, e é a minha favorita; O nome dela é Corona. Corona é uma adolescente de Lonndum, que é a África do mundo de YnT; Ela é uma das personagens mais dramáticas do enredo, e partindo desse capítulo em que nós nos encontramos, não tardará muito que vocês conheçam essa figura. A música que usei para fazê-la é uma das minhas músicas favoritas de rock, que é Ever Dream do Nightwish, e foi das escolhas mais certeiras que eu já fiz nesse enredo. A Letra da Música (www)


Pessoal, por aqui paro meus comentários sobre o enredo. Se vocês gostaram da fic, falem aí nos comentários, pois dependendo se vocês gostaram ou não, eu posso postar até o capítulo 10 aqui no blog, ok?
! Alguns Avisos !

Pois bem, pessoal, eu queria avisar-lhes que essa semana que vem {23/05-27/05} será minha semana de provas, e como todo dia será uma prova diferente, eu creio não postar durante essa semana. Eu até postaria alguma coisa, porém a minha escola está com um novo sistema de provas que consiste no seguinte: A primeira nota será fracionada, e nessa parte, o professor decide como ele quer fazer, porém a segunda nota consistirá em um provão, com TODO o assunto do bimestre, levando ainda em consideração que alguns professores optaram por fazer duas provas nessa nota que é fracionada. Na semana que vem, a grande maioria dos professores marcou a segunda prova da nota fracionada, e aí eu terei apenas TRÊS SEMANAS pra revisar o assunto do bimestre inteiro de todas as matérias.

E infelizmente eu vou passar essa semana sem comentar em nenhum dos blogs das minhas afiliadas e também não conseguirei responder comentários; Em resumo da obra, ficarei inativa na blogosfera na próxima semana. PORÉM, é só essa semana! E eu ainda vou tentar tirar meia hora todo dia pra adiantar a fic, ou seja, não será de todo mal, não é mesmo? Além do que, eu trarei um post com bastante conteúdo na próxima vez, além de muita filosofia junto. Me aguardem....

Bem pessoal, por aqui eu fico , e prometo voltar na semana seguinte a esta que vem a todo vapor <3

Thanks Boys and Girls, 
Bye, bye

3 comentários:

  1. YOOOO LIVES \O/

    Boa sorte nessas tuas provas! Essa semana que vem eu também tenho prova Ç.Ç E tenho uma caralhada de conteúdo para estudar (senhor, segura esses exorcismos de alimentar vacas!...Ô bichinho que dá trabalho na hora de alimentar, hem!). Mas, cara essa tua escola curte dar uma de Ayato em tmp, pô nem eu que tô na faculdade chego a ter tanta coisa acumulada '-'

    ENFIM, boa sorte nessas tuas provas! E ainda bem que será só nessa semana que tu vai dar uma sumidinha, pois quando eu vi no título "aviso" JÁ CORREU UM MEDINHO VIOLENTO AQUI! Pensei que fosse sumir por um mês Ç.Ç

    MAS, FOCA NESSA SEDUÇÃO DE FIC!...MULHER QUE ESCRITA CARALHUDA É ESSA!? Putz, deixa eu ir lá me esconder num cantinho escuro! Meu deus, tu escreve muito bem! Dá gosto de ler a forma como tu coloca as palavras no papel.

    Outra coisa que eu AMEI DE PAIXÃO dessa tua fic foi o fato de mundo pós-guerra, e principalmente por você ter montado todo um embasamento para essa terceira guerra mundial e consequências dela. Pois, uma coisa que torna esses animes pós-apocalípticos / guerra meio decepcionantes, é justamente o fato deles largarem na cara uma guerra passada qualquer e não explicarem nada do que aconteceu e as consequências que isso trouxe.

    Mas, de longe o que mais me chamou atenção foi essas PARADAS DE DNA E TRANSFORMADOS! Lives, se tu meteu ciência nessa loucura, TU JÁ ME CONQUISTOU DE CARA <3 Estou louca para saber mais dessas tretinhas dos transformados, dessa parada de doenças, curas, DNA e erros <333333

    Enfim, acho que a única coisa que pode ser acrescentada, seria uma descrição das personagens para ter uma base de como é o físico e talls. PORÉM, como tu disse que fez um prólogo, provavelmente tu fez essas paradas de descrição lá néh!? Eu ainda não li o prólogo, mas me interessei muito em saber como brotou essa guerra, o que ela resultou e o passado das personagens, portanto depois vou conferir.

    P.s: Só para tirar uma dúvida, esse macho alfa por algum acaso é ruivo!? XD

    Bem, boas provas para ti. Vai lá e SAMBE LINDAMENTE NESSAS MUTRETAS <3 E boa sorte com a fic <3.....Só quero ver meus feels com essa Corona....TÔ PREVENDO MEUS FORNINHOS AFUNDANDO COM ELA!

    Kiss

    ResponderExcluir
  2. Heey, Lives!

    OBA, fic! Eu adoro ler contos/histórias originais então exijo que poste essa fic aqui até o fim! -q

    Sobre o Spirit, pra ser sincera nunca tinha entrado lá; e o Nyah! conheço de longa data, apesar de o primeiro site que me familiarizei com fanfics foi o fanfiction.net, que aliás é ótimo porque não tem apenas fics em português, mas também em diversas outras línguas, afinal é um site internacional. But anyway, o Nyah! nunca me foi de muito agrado também, então acredito que o Spirit seja melhor mesmo. Aliás, gostei do nome da fic também, um nome bem forte e fácil de lembrar. :3

    A sinopse de cara já me agradou, afinal estamos falando de mundo pós guerra, de futuro, de ficção científica, de assassinato, drama, sangue e morte! \o/

    Agora, falando diretamente sobre o primeiro capítulo: a história me agradou bastante, apesar de o primeiro capítulo não revelar muitas coisas; somos apresentados ao ambiente inicial da narrativa, aos personagens principais e às primeiras questões que serão desenvolvidas na trama. Achei que a escrita ficou ótima, ficou bem linear e fluida no capítulo todo (digo, tudo num mesmo ritmo, sem mudar muito o estilo de um parágrafo para o outro). Se me permite fazer uma sugestão, eu diria para dar uma revisada no capítulo mais uma vez porque tem um ou outro errinho (provavelmente de digitação mesmo), mas são coisas bem pontuais mesmo, mas acho que vale a pena dar mais uma revisada com atenção. :) Por exemplo, no primeiro parágrafo acho que a palavra "algum/alguns/algumas" está se repetindo muito, mas ok, eu to sendo extremamente crítica nesse quesito hauhauahuahauahuaha

    Por fim, acho que faltou um pouco de descrição das personagens principais como a Hina-chan disse, porém pode ser que em outros capítulos essa descrição venha, então tudo certo. xD

    Mas num geral está muito bom mesmo, eu gostei bastante da proposta, do tema, do tom da narrativa, do ritmo, enfim, acho que tem tudo pra ser uma fic ótima; e aliás estou morrendo de curiosidade para ler o resto! Por isso, digo novamente: pode tratar de postar os outros capítulos aqui! <3

    Também achei muito interessante que você pesquisou bastante a parte histórica e outras coisas como as armas, afinal referência é tudo para qualquer escrita! ;)

    E esse uso da palavra Forvandlet heim? Já ganhou uma estrelinha por isso, achei super criativo! E criaturas com DNA alterado, que é isso, vai ser muito louco o desenvolvimento dessa história! *---*

    Haheahsuhas bem, acho que era isso! Beijos e boa sorte nas provas todas! <3

    ResponderExcluir
  3. HELLOU LIVES!
    Tô torcendo pra mim fazer um comentário grande, e não um daqueles curtinhos que eu sempre faço -qq.

    Amiga, vousse gosta de falar "kreanssas" né? Eu não conheço muitos livros antigos, mas eu tenho uma certa curiosidade pela literatura antiga Japonesa. ~eu sou bem desorientada nas coisas, ignora~. Eu ainda não conheci o blog na época em que vousse postava fics, mas né, agora eu peguei a época em que vousse posta essa fic aqui \\o//. E OLHA, TEM MEU NOME NO BLOGGER AQUI!

    Eu acho que ainda não li a fanfic depois do capítulo 3 se tu já postou ~corre~ (é aquele ditado: DASHI RUN RUN!). Eu nunca cheguei a ter uma conta no Nyah!, porém as vezes eu entro nele, e digamos que ele não me agradou muito, sabe. Eu gosto tanto do Spirit *u*, lá tem cada fanfic que acelera meu core -qq.

    Eu já tinha lido a fanfic antes, e eu meio que nem sei direito o que falar no comentário, e se ele ficar curto ignora, please! ~continuando~ Eu pessoalmente gostei bastante da fanfic, sério, e depois eu vou ir ver se saiu capítulo novo dela, porque eu ando bem desorientada e lerda.

    Ah, e Lives, eu te indiquei pro prêmio Dardos Blogger *uu*.
    SAYONARAAAA! / Candy Cherry

    ResponderExcluir